segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

A deusa

Tinha 19 anos, cabelos castanhos longos e ondulantes, uma tez branca e iluminada. Era bela. Muita bela. Aconchegado a ela, um filho, recém-nascido, anjo adormecido. Eu tinha 8 anos e era inverno. No segundo intervalo da escola, desci para a voltar a ver. A minha escola ficava nas traseiras da Igreja de Santa Cruz do Bispo. Subíamos umas escadas com destino a uma sala que autorizava a entrada de luz através de uma única janela. Fazia frio quando estava frio, sentia-se um calor insuportável quando a primavera se vestia de verão. 

Havia uma porta lateral que ia dar à igreja. Volta e meia, eu e uns amigos escapávamos à vigilância da professora para fanar hóstias e beber vinho. Era azedo e de má qualidade. As aulas eram por vezes interrompidas por homilias e choros abafados de dor e angústia. Em baixo da sala onde aprendíamos a somar números, situava-se a capela mortuária. Ver defuntos, naquela idade e naquela época, era normal. Por vezes sentíamos um apelo mórbido em invadir o espaço. Acontecia sermos enxotados. Normalmente a nossa presença era tolerada ou ignorada pelo coro de lágrimas e gritos que ouvíamos em silêncio. Uma vez uma senhora idosa, trespassada pela dor, pediu-me um abraço. Imaginava-me anjo na despedida do marido e companheiro de uma vida.


Quando visito a minha falecida avó e lhe acendo uma vela, falo com ela. No caminho de regresso, paro na morada eterna daquele bela criatura de 19 anos, que ao dar a luz uma vida sacrificou a sua, sem conseguir salvar o fruto do seu amor. Paro e penso naquele dia. Na dureza da existência humana. Com 8 anos, quase 9, aquela deusa ensinou-me o significado da palavra morte. E de como é importante vivermos a vida como se não houvesse amanhã. Nunca conseguimos cumprir este desígnio, já repararam? 

3 comentários:

Pedro Ribeiro disse...

Partimos do princípio de que amanhã ainda estamos por cá. De que somos invencíveis. De que nada nos pode tocar. De que temos uma vida pela frente. E perdemos o presente com minudências, com mesquinharias, deixando para um amanhã incerto a vida que poderíamos e deveríamos viver hoje.

A sua reflexão vem bem a propósito.

Abraço!

Pedro

Osmar Garrido disse...

boa tarde, onde posso encontrar esse estadio que tens no blog? o-caos@hotmail.com. obrigado

J.Roberto disse...

Ola,

Estava navegando pela internet e encontrei o seu blog com dicas de corrida. Gostaria de dar os parabéns, pois o blog é realmente muito interessante. Muitas dicas legais e inspiradoras em seu blog. Tenho certeza que ele faz muito sucesso.

Também tenho um blog sobre corrida. O meu blog é novo, mas a audiência dele vem crescendo a cada semana.

Acesse ele aqui: http://corridaderua.blog.br/