quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Tortuosos caminhos do amor



Forte contestação em Alvalade no primeiro embalo do jogo com o Basileia, aplausos finais para um Sporting que cumpriu a sua obrigação e ganhou a um Basileia fraquinho, por 2-0. Paulo Bento defende que a atitude negativa do público condiciona os jogadores. Até pode ser verdade. Só não se compreende o apelo que fez para que o assobiem a ele. Ao assobiar a equipa, não estará o público sportinguista a assobiar também - e sobretudo - quem a lidera? O que faz sentido em futebol, e em especial numa competição com a importância da Champions, é apupar o adversário e não o contrário, mas convém a Paulo Bento ir rapidamente à raiz do problema e atacá-lo com um argumento muito simples: o amor não admite este tipo de facadas...

Enviar um comentário