sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Notícias: entre o talento e a sorte



Gosto de dar notícias. Um jornal, seja desportivo ou generalista, vive de boas reportagens, de boas crónicas e de boas ideias, mas não vive sem notícias que captem a atenção do leitor, do «furo» que o «obriguem» a comprar o produto. Dar notícias, estar em cima do acontecimento, não obedece a princípios rígidos - pode ser fruto do talento, da sorte (sem abusar dela), da persistência mas é sobretudo resultado da fidelidade que se cria com as fontes, as boas fontes. Há no entanto um dado que parece claro: somos nós, jornalistas, quem tem de «ir ter» com a notícia e não o contrário. 

Há exceções. Por vezes - muito raramente - as notícias caem-nos do céu, sem explicação. Lembro-me de uma época, no Boavista, em 2000/2001, em que isso aconteceu. Na época fazia o xadrez com aquele que considero ser o jornalista que melhor cobertura noticiosa fez da pantera - o Nuno Vieira. Um dia, uma única fonte, que ainda hoje mantenho, revelou-me com todo o detalhe o plano de reforço do plantel, desde a baliza ao ataque. O Boavista, para quem tem pouca percepção, era um clube muito organizado e ativo no mercado. Atacava alvos a custo zero com espartana eficácia, antecipando-se a toda a concorrência. Não me lembro ao certo quantos jogadores eram - uma dezena, à vontade -, mas lembro-me como se fosse ontem por onde começámos: pela baliza e pelo Khadim. A partir daí, e a uma cadência que nunca mais repeti, fomos atirando nomes da lista uns atrás dos outros, numa bebedeira de «cachas» que nos safou a pré-época. 

Nunca nada superará, contudo, a lotaria que foi a notícia exclusiva da contratação, na época seguinte, de Serginho Baiano. Andei como um cão, durante um mês, a farejar pistas para o ponta-de-lança que tinham contratado e fechado muito antes do Campeonato acabar. Telefonei para Marrocos, perscrutei os mercados do leste europeu, da Argentina, arranquei os poucos cabelos que tinha até que um dia disse para mim: não consigo chegar lá. 

Neste ponto só sabia que o jogador em causa era brasileiro, baixinho, rápido. Nome, nem vê-lo. Um belo dia chego ao jornal e tenho uma mensagem de um companheiro de Lisboa que pedia para lhe ligar com urgência. Fiz a chamada e do outro lado ouvi a frase mágica: «Aponta: o avançado que o Boavista contratou é o Serginho, do Corinthians Alagoano.» Pah, como chegaste lá? «Não cheguei. O nosso companheiro X está em Alagoas de férias e, olha a coincidência, cruzou-se na praia com metade da família do rapaz...»

Foi uma festa...

Enviar um comentário