sexta-feira, 8 de abril de 2011

Do Dragão a Kiev, passando pela Luz

Não vi o jogo do Braga porque estive no Dragão, mas o resultado alcançado pelos Guerreiros em Kíev é soberbo. Ainda por cima, não haverá Shevchenko na segunda-mão, o que é uma óptima notícia e uma bênção para Domingos. Agora, o FC Porto: aquela segunda parte do dragão foi fenomenal, com golos, brilhantes transições ofensivas e uma saúde física invejável - ou será mais vontade que poder atlético? Não sei. Vê-se nesta equipa a excelência do trabalho desenvolvido por André Villas Boas, a todos os níveis, técnico, mental e físico. Depois, há Falcao, que assinou o segundo hat-trick na Liga Europa. Grandes golos, golos difíceis, golos que ele procurou com um sentido de missão que só ele sabe colocar em campo. Escrevi-o no Facebook e partilho a ideia aqui: quando o FC Porto faz o 3-0 e o estádio explode de alegria, dois minutos depois o Spartak reduz e parecia germinar ali uma semente de revolta nos russos. Mas o facto é este: o FC Porto levou um estalo mas respondeu com um murro. KO. O Spartak foi ao tapete e podem contar até 100 que «este» já foi. O dragão é assim - põe tudo abaixo sem ser demolidor. E acho que é mesmo o grande favorito à conquista da Liga Europa. O Benfica também. E o Braga, porque não? Acho que Portugal pode ter uma grande alegria em Dublin. Para atenuar a crise que nos atormenta.
Enviar um comentário