terça-feira, 22 de março de 2011

Braga ataca o pódio



Falemos é de futebol. Ontem fui a Axa e confirmei o que a generalidade dos adeptos minhotos já sabia: a equipa de Domingos atravessa uma fase muito boa, os jogadores reconciliaram-se com as boas exibições e dá para perceber que o colectivo está empenhado em destronar o Sporting do terceiro lugar. Em alguns momentos da época, julguei que Domingos podia ser mais inovador e atrevido nas escolhas para onze. A persistência do treinador em unidades com rendimento oscilante no arranque da temporada (Viana, Rodriguez, o próprio Alan em muitos jogos, o Paulo César) resultou no crescimento, a médio prazo, da equipa e a sua aproximação aos valores da época passada.

Curiosamente, este Braga refinou a sua organização defensiva, mas no capítulo em que era indiscutivelmente mais forte, o ataque, apresenta agora algumas dificuldades do ponto de vista da eficácia. Basta ver a primeira parte com o Rio Ave, que foi uma ode ao desperdício. Mas é precisamente nas dificuldades se vê a (nova) bagagem mental da equipa: não desiste, não parte para o desespero, não abdica da sua filosofia de ataque. Ah, e eu estava enganado: Domingos foi pelo caminho certo. Por isso é que é treinador. E dos bons (mas queria vê-lo a escrever 7 mil caracteres numa hora...)

10 comentários:

Pedro Ribeiro disse...

É verdade que o Braga está melhor. Mas acho que,em parte, isso também se explica por factores psicológicos. A vitória categórica sobre o Benfica, com uma boa exibição injectou confiança na equipa, numa altura em que muitos adeptos (talvez a própria equipa) desconfiavam da própria capacidade de assegurar uma qualificação para a Liga Europa. A vitória frente ao Benfica criou um novo élan, bem aproveitado na eliminatória frente ao Liverpool. Ontem viu-se com clareza a força psicológica do Braga frente a uma bela equipa do Rio Ave. Apesar das dificuldades, apesar do desperdício, a equipa persistiu, mesmo quando o cansaço começava a fazer mossa, sensivelmente a meio do segundo tempo.

Que Domingos sabe de futebol, ninguém tem dúvidas. A partida frente ao Benfica e os dois confrontos com o Liverpool foram do ponto de vista táctico brilhantes. Isso não invalida, a meu ver, que Domingos não tenha utilizado bem o plantel ao longo da época. Há jogadores que poderiam e deveriam ter sido opção mais vezes, alargando o leque de escolhas do treinador, que sem isso tem um plantel algo limitado para determinadas posições. E, há que relembrar, o Braga apenas está ainda em posição privilegiada para garantir os seus objectivos porque a concorrência directa tem estado francamente mal...

José Lemos disse...

Já mais do que uma vez deixei a minha opinião sobre o Braga de 2010/2011.

Para mim, é uma desilusão.
Depois do que foi feito na época passada, e não exigindo repetição nesta, são manifestamente curtos os 33 pontos na Liga nesta altura. Mesmo que ultrapasse o Sporting no final. Mas que época está a fazer o Sporting? Não pode ser termo de comparação para adeptos exigentes.

Taça da Liga e Taça de Portugal, perdidas prematuramente.

Único ponto positivo: competições europeias, onde está a realizar uma bela época. Mas não é tudo.
Continuo a bater no ponto: não acho Domingos tão competente quanto isso :)

abraço

Bigsousa disse...

Humm. Exigir ao Braga mais do que isso acho excessivo. O ano passado foi uma excepção. Quanto ao Domingos, só vai convencer os cépticos quando agarrar num grande. Agora, só está no Enorme :ppp

Pedro Ribeiro disse...

Pois eu acho que ao Braga se exigia um pouco mais, em termos internos. É verdade que é mais fácil gerir do ponto de vista mental o facto de se ter objectivos em várias frentes num clube mais habituado a isso do que no Braga. É que, apesar do Braga ter vindo a estar presente de forma regular nas competições europeias, era estreante na Liga dos Campeões, competição no âmbito da qual tem de ser considerado um pequeno clube (e se calhar, na fase de grupos, o de menor orçamento).

Não podemos esquecer que o plantel de que Domingos dispunha na primeira fase da época era riquíssimo - mesmo que desequilibrado, em virtude de um conjunto de erros no planeamento da época em relação aos quais não sei até que ponto Domingos também terá ou não responsabilidade. Ainda ontem revia as imagens do Braga-Arsenal (de vez em quando faz bem ao ego rever) e deixei-me surpreender pelas caras do banco do Braga, no festejo dos golos: Hugo Viana, Sílvio, Madrid, Mossoró, Élton, Artur Moraes... Impressionante! Todos eles actuais primeiras figuras, à excepção de Madrid, afastado por razões extra-desportivas e Elton - que já saiu mas, pelo menos do ponto de vista estritamente desportivo, era um ponta-de-lança de grande qualidade!

Foi nessa fase que Domingos mostrou dificuldades. Em teoria, tinha um grupo que lhe permitia gerir as várias frentes e não o conseguiu, creio eu por dificuldades em lidar com o grupo. Repito, admito que no Braga é mais difícil gerir um grupo numeroso com esta qualidade. Todos quereriam jogar a Liga dos Campeões, ao passo que talvez as competições internas fossem encaradas de forma diferente, com demasiado relaxamento, talvez até desleixo. Mas, objectivamente, Domingos não o conseguiu fazer. E creio que o desencanto de Salvador vem daí. Talvez se tenha convencido de que com Domingos não seríamos capazes de nos intrometermos entre os grandes no plano interno, mantendo ambições na frente internacional. É possível isso acontecer num clube como o Braga? Creio que Salvador o tentou, oferecendo ao treinador um plantel muito para lá dos nossos hábitos (e estou a falar de orçamento) e talvez se tenha desiludido. Será esta ambição de Salvador exagerada? Não sei, é possível. Como disse, é muito mais complicado gerir do ponto de vista mental (também físico) várias frentes num clube com menor dimensão, glamour e hábitos de conquista. (cont.)

Pedro Ribeiro disse...

(cont.) 34 pontos em 23 jogos é pouco e, normalmente, não é suficiente para garantir um lugar nos 5 primeiros. Habitualmente são necessários mais de 50 pontos para garantir o 4º ou 5º lugares. Ainda pode acontecer mas é necessário que a equipa faça uma ponta final de excepção (coisa que há pouco tempo parecia impossível mas hoje, não parecendo fácil, parece estar ao seu alcance). Relembro que este sore (34/23) é apenas superior em 1 ponto ao acumulado na época 2007/08 (iniciada por Jorge Costa, continuada por Manuel Machado e finalizada por António Caldas) e e inferior em 4 pontos à anterior (em que já íamos no terceiro treinador, Jorge Costa, após Carvalhal e Rogério Gonçalves). Isto significa que, para Salvador, esta época seria sempre avaliada como claramente insuficiente e que só a frente externa segurou o treinador. Felizmente para nós, a concorrência tem dado uma ajuda...

Agora, repito, as condições "políticas" para substituir Domingos à frente da equipa não são as melhores para Salvador. Domingos é idolatrado pela maioria dos adeptos. E a quem estará ele em condições de chamar que esteja à altura das ambições atrás descritas? Não estou a ver quem. É que para substituir alguém é preciso que quem chegue seja um acrescente - ou pelo menos dê garantias de não-retrocesso. Domingos, estou seguro, aprendeu muito com esta época, fazendo o seu tirocínio na gestão de um grupo em vários tabuleiros. Cometeu erros, creio que a determinada altura se deslumbrou, mas admito que não volte a cometer alguns dos erros que cometeu. Seria isso o bastante para ir de encontra às ambições de Salvador? Salvador acha que não. Mas a minha dúvida é: e quem vier, estará no mesmo estágio de preparação como treinador ou tem de passar pelo mesmo processo de aprendizagem, com custos que teremos evidentemente de pagar?

Bigsousa disse...

Pedro: quando tem no balneário dois joagdores a ganhar 80 mil euros/mês é complicado ;P O Braga não lhes pagava o ordenado todo, mas era isso que eles levavam para casa. Mexe com um grupo muito mais do que pensa, acredite.

Bigsousa disse...

Um plantel que custa 11 milhões de euros dificilmente se pode candidatar ao título. A uma/duas taças, sim, ao título, só se tudo à sua volta cair e os 3 grandes andarem a dormir. Foi assim que o Boavista foi campeão. Mas acontece de meio século em meio século os 3 candidatos estarem todos mal.

Pedro Ribeiro disse...

Mas não é a candidatura ao título que está em causa!!! Eu até acho que deveríamos ter sido mais veementes na recusa da candidatura ao título que a imprensa se predispôs a lançar por nós! O título, em Portugal, só "pela calada"! Até acho que, nesta temporada, dificilmente poderíamos aceder aos dois primeiros lugares - a menos que fizéssemos uma época extraordinária como aconteceu o ano passado (dificilmente repetível). Mas, 34 pontos em 23 jogos é um rendimento à altura do plantel que tínhamos no início da época!? A meu ver não. E os exemplos de 2006/07 e 2007//08 mostram-no. Poderíamos, neste momento, ter mais pontos que um Sporting a fazer uma péssima época, sem fazermos uma temporada transcendente. É a minha opinião.

O que diz em relação aos salários, admito que tenha razão - e a sua observação insere-se naquilo que tinha dito quanto à dificuldade de gestão de grandes ambições num clube da nossa dimensão. No entanto, Domingos também deu tiros nos pés, primeiro sancionando essas aquisições e depois atribuindo a alguns jogadores estatuto de intocáveis. Agora é-me fácil falar, mas faz algum sentido, por exemplo, um guarda-redes (o tal dos 80 mil) chegar do Brasil, fazer dois ou três treinos e ser imediatamente titular da nossa baliza!? Quando afinal (e isso, nós adeptos ainda não sabíamos na altura) tínhamos nos quadros um outro grande guarda-redes (e par mim, sabendo o que sei hoje, bem melhor).

A SAD não pode esquivar-se às suas responsabilidades nesta questão mas Domingos é, pelo menos, co-responsável. Não tenho dúvidas, no entanto, que muitos dos erros que cometeu não os volta a cometer no futuro.

E para que fique claro, eu teria jogado pelo seguro e manteria Domingos (agora já é tarde, creio), até pela quase unanimidade entre a massa adepta. Não esquecendo que se se pretende mais é preciso que quem chegue seja melhor ou não constitua um retrocesso. Será isso possível? Será um risco. Mas compreendo o pensamento de Salvador que, como sabe, tem uma ambição insaciável. Desmedida? Talvez...

José Lemos disse...

Exigir mais ao Braga do que os 33 pontos actuais é excessivo?

Ter exigido uma presença na semi-final de uma taça interna é excessivo?

Olhe que não Pascoal. E ambos sabemos, aliás discutimos isso na pré-temporada, que o Braga só tinha lacunas na lateral direita e na zona central do meio-campo (era curto).

Quanto ao Domingos, ou convence os mais cépticos ou desilude os fãs :)

Bigsousa disse...

O que eu acho é que o Campeonato ainda não acabou. Fala-se de rendimento interno, esquecendo o efeito que a Liga dos Campões e a Liga Europa tiveram no desempenho global do Braga. Foi brutal. O braga foi das primeira equipas a arrancar e não estarei enganado se disser que o plano de preparação física da equipa foi alterado em função dos objectivos europeus. Um Braga melhor fisicamente foi superior ao Celtic e Sevilha, de longe. Agora, isso paga-se meus amigos. É preciso tomar opções e acho que o Domingos tomou as correctas, correndo o risco de a dada altura prejudicar as provas internas. Por isso, por tudo aquilo que o Braga já fez esta éoca, digo e reforço: não são obrigados a fazer mais do que isso. O mínimo que se pode pedir é o quarto lugar, o máximo o terceiro.