segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Ministério das Finanças



Na entrevista que Costinha deu à Sport TV só não percebi uma coisa: se não há dinheiro no Sporting para mandar cantar um cego, e Couceiro não pode fazer mais do que ele já fez, como é que director-geral se propunha pagar ao Atlético de Minas Gerais os 2,53 milhões de euros que ofereceu pelo Kléber? Do próprio bolso?

Já agora, e sem colocar em causa a pertinência e coragem de Costinha na resposta a várias questões que lhe foram colocadas, não será tempo de o Sporting pensar, acima de tudo e de todos, em segurar o terceiro lugar no Campeonato? Ou isso é pouco importante?
Enviar um comentário