sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

A história continua



Foi sofrido, mas o Braga passou. Sinceramente, acho que era difícil pedir mais a uma equipa que abordou a partida com o Lech Poznan com 16 jogadores do plantel principal, alguns deles ainda muito limitados por causa das lesões e outros em claro sub-rendimento (Rodriguez, Kaká, Sílvio), tudo isso somado à quebra anímica decorrente de três derrotas consecutivas. Olhando para este quadro, o Braga até podia ter perdido a eliminatória mas julgo que sairia sempre com a dignidade intacta. Teve sorte na parte final da partida? Muita, mesmo. Aconteceu nos últimos 20 minutos o mesmo que em Poznan: a equipa recuou as linhas e deu a iniciativa ao Lech, que mesmo reduzido a 10 unidades atacou muito e bem, ao ponto de só não ter marcado por manifesto azar.

O facto é este: o Braga vem de uma bela campanha na Liga dos Campeões e agora junta-se a FC Porto e Benfica nos oitavos de final da Liga Europa. Domingos iguala na segunda prova da UEFA o patamar máximo atingido no passado por outros três técnicos do Braga, Fernando Castro Santos, Jorge Costa e Jorge Jesus, com a diferença de percursos a ser marcada pela Champions. Para os que gostam de falar de cor, acrescento outro dado: este plantel do Braga custa 11 milhões de euros e já arrecadou em prémios da UEFA 12 milhões de euros (11,8 da Champions + 640 mil da Liga Europa). Mérito de uma gestão coerente, mas, acima de tudo, mérito do treinador, que não é mestre da táctica nem toureiro, mas tem feito alguns milagres num quadro de grande dificuldade e imensas contrariedades. A história continua...

PS: O que está a acontecer ao Sporting? Ou melhor, o que é que não acontece ao Sporting?
Enviar um comentário