domingo, 9 de janeiro de 2011

Cáustico



Ficar na redacção a receber e fechar um jogo de futebol dá-nos uma perspectiva muito interessante, porventura mais fiel e lúcida, sobre o estado de espírito dos intervenientes numa partida. Falo, concretamente, da vitória do Sporting sobre o Braga, por 2-1.Paulo Sérgio ainda não pode dormir sossegado, mas ao abrir 8 pontos de vantagem sobre um adversário directo nota-se que o oxigénio lhe chega mais puro ao cérebro na avaliação daquilo que foi a história de um desafio muito equilibrado. Em relação a Domingos Paciência, vi duas partes: primeiro, um discurso mais macio no «flash-interview», onde se centrou mais no demérito do SC Braga que no mérito do Sporting, falando de raspão dos dois erros cometidos pela equipa nos golos do Sporting.

Na sala de Imprensa, um outro Domingos Paciência. Sem Paciência para aturar mais erros e a enviar, através de um discurso cáustico e assertivo, a factura detalhada das asneiras colectivas, criticando abertamente a atitude e falta de agressividade da equipa. Do último ponto, estou inclinado em concordar, mas esse é um problema persegue o Braga há meio ano; falta de atitude, já não achei tanto. O Braga foi superior em vários aspectos (cantos, remates, posse de bola), não vi lassidão dos jogadores em matéria de entrega. O que há a dizer é que o Sporting fez pela vida e percebeu que aqueles 90 minutos eram cruciais para descolar de um opositor que tem plantel para ameaçar a sua posição. Pode-se falar de muitos factores - de falta de sorte, de azar, de aselhice, daquele remate que saiu mal. Mas falemos do essencial: o Sporting foi mais eficaz e a vitória, valha a verdade, não lhe fica nada mal.

5 comentários:

Pedro Ribeiro disse...

Nem o Domingos nem os adeptos devem julgar e avaliar a sua equipa apenas de acordo com os resultados. Nas últimas vitórias folgadas, já se havia visto que a equipa tinha dificuldade nas transições defensivas. E nestes casos, a qualidade dos jogadores adversários conta. Frente a Académica e V.Guimarães, não se nota (ou pelo menos, não tem consequências demasiado graves); frente a Liedsons, Valdés & Cª as coisas já não são assim. Isso viu-se sobretudo no lance do primeiro golo.

De qualquer modo, discordo da sua visão do jogo. O Braga não foi absolutamente em nada inferior ao Sporting. A diferença no resultado é resultado de um golo sofrido inconcebível fruto de dois graves erros individuais, o mais grave talvez de Hugo Viana, com um passe atrasado absolutamente disparatado, mas também de Moisés que, incrivelmente, não fechou o caminho entre Valdés e a baliza. Contra estes erros individuais e falhas de concentração há pouco a fazer senão puxar as orelhas aos jogadores, chamando-os à responsabilidade.

No entanto, a equipa mostrou personalidade e, ao contrário do que disse Domingos, não me pareceu demasiado perturbada pelos golos do Sporting. Continuou a jogar , reagindo bem aos golos sofridos e, em minha opinião, foi superior ao Sporting em toda a primeira parte (e durante uma boa fatia da segunda). Somos agora uma equipa mais assertiva, que assume o jogo de uma maneira que até há um mês não acontecia e isso agrada-me.

O segundo tempo, contudo, mostrou que as saídas do plantel de alguns jogadores fizeram mossa... no banco. Quem entrou não melhorou a equipa e isso fez com que o Sporting na fase final da partida conseguisse segurar o jogo com mais à-vontade.

Pedro Ribeiro disse...

(cont.) Falta de atitude? Não acho. O que não se pode esperar é que um meio-campo com Vandinho-Viana-Mossoró jogue com a mesma intensidade que o trio Vandinho-Aguiar-Salino, por exemplo. Há no entanto, outras coisas que se ganham. Espero que treinadores e jogadores percebam que não estiveram mal e que se continuarem assim (trabalhando as transições defensivas e sendo responsáveis) vão ganhar muito mais jogos.

E é pena o atraso em relação ao Sporting porque fiquei mesmo com a ideia de que somos mais equipa que os verde-brancos.

pascoal sousa disse...

De facto o Braga ficou com menos soluções no banco, mas parece-me que o excesso de soluções provocou, internamente, mais danos que benefícios. Não é fácil controlar os insatisfeitos e muito do que foi feito ao nível do reajustamento que o plantel em Dezembro tem a ver com isso. Não estou contra os puxões de orelhas, nesse ponto o Domingos agiu bem, no entanto, uma coisa é apontar os erros, é por o dedo na ferida, outra, muito diferente, é criticar a atitude. O empenho esteve lá, portanto não posso concordar com essa análise. Falta de concentração? Muita. Nos golos, naquele livre frontal que podia levar tanto perigo à baliza de Rui Patrício, na tal reacção defensiva de que o Pedro falou quando o adversário pega na bola e consegue a seu bel-prazer fazer transições ofensivas e chegar à baliza do Artur. Abraço

Pedro Ribeiro disse...

Não quis dizer que o emagrecimento do plantel era globalmente negativo. Apenas afirmei algo que me parece objectivo: o Braga teve menos opções no banco do que teria (por exemplo com Luís Aguiar (e já nem me vou repetir com Elton). No entanto, até penso que Domingos, face à ausência de opções (Hélder Barbosa sempre me pareceu um completo erro de casting e voltou a confirmá-lo; e Guilherme continua a não contar para o totobola de Domingos), deveria ter optado (talvez um pouco mais tarde) por uma dupla de pontas-de-lança, Keita-Meyong. QUando não se tem cão, caça-se com gato. E, atendendo a que a defesa do Sporting, gosta pouco de um futebol mais físico, quem sabe não poderia ter resultado? Mas não adianta agora estarmos com ses...

Quanto à atitude, eu concordo consigo, como se percebe do que escrevi antes. Penso que não foi por aí que as coisas não resultaram. O que não se pode é esperar que Viana e Mossoró emprestem à equipa o mesmo nível de agressividade que Aguiar e Salino, por exemplo. Domingos optou por um futebol mais positivo, com mais posse de bola, menos "corrido", assumindo alguns riscos nas transições defensivas por força de um meio-campo que, pela sua composição, é mais macio. Não acho que tenha feito mal, mesmo nesta partida, até porque, volto a repetir, não me parece sinceramente que este Sporting seja mais equipa do que o Braga. Não se podem é cometer erros como os que se cometeram no lance do segundo golo do Sporting. Não há esquema táctico que resista a estas falhas de concentração. Não sei se com a palavra "atitude", Domingos se quereria referir a estes lapsos de concentração - que na verdade não podem existir.

Penso contudo que o Braga está bem melhor do que há um mês e só receio que deste jogo se retirem as ilações erradas. Se a equipa não se perder animicamente, penso que, se Domingos mantiver a aposta neste novo Braga, não se arrependerá.

NOTA: a única peça que não encaixa bem neste Braga é quanto a mim o ponta-de-lança. Qualquer dos suplentes está mais próximo do que a equipa, neste momento precisa do que Lima.

Costa disse...

Preferia que o mister Domingos fosse cáustico no balneário, e deixasse estas palavras para serem ditas no mesmo. Apesar de não poder julgar pelo que vejo porque não conheço, parece-me que as abordagens individuais ou colectivas de Domingos no blaneário são bem mais brandas do que para a imprensa... e porquê? não sei...

O Braga precisa de acrescentar qualidade em pontos fulcrais, sem qualquer dúvida se quer safar a época.
Já nem sei se a prioridade agora será investir mais um pouco em jogadores novos que façam um plantel MELHOR e deixar as renovações para o "logo se vê", ou o contrario. A esse nível, acredito na ginástica de Salvador.
Agora, um lateral (de preferencia esquerdo), uma alternativa a Mossoro (já que não se confia em Gulherme), um central (se algum sair, ou mesmo que não saia, para acautelar o final da época), uma alternativa para os flancos (escusada, está em Paços e chama-se Pizzi) e um avançado rápido são precisos, embora também me pareça que o plantel fique gordo novamente.

Enfim, está complicado, o meu Braga...