terça-feira, 14 de setembro de 2010

Justo, mas...



O Benfica ganhou ao Hapoel e ganhou bem, apesar dos muitos sustos que apanhou. Boa exibição de Roberto (seria mesmo um problema de pressão mental?!), grande actuação de Aimar, 800 mil euros no bolso e uma vitória importantíssima da águia sobre aquele que é, em teoria, o elo mais fraco do grupo. Mas... continua a haver coisas que não batem certo no campeão. E não falo da atitude irreflectida de Cardozo. Um ser humano tem fraquezas e o paraguaio, aborrecido com os assobios da plateia, 'atacou' com um gesto pouco simpático quem no passado tanto o acarinhou. Terá de pedir desculpa e fá-lo-á de certeza.

O que a mim me parece é que o Benfica perdeu os excelente processos defensivos que tiveram a sua quota-parte de responsabilidade no título conquistado na época passada. Crises de finalização, muitas equipas as têm nos arranques de temporada e esse é um aspecto que, progressivamente, «vai ao sítio». Agora, defensivamente, o Benfica está mais frágil, menos concentrados, muito menos pressionante sobre a referência que transporta a bola. A facilidade com que os israelitas chegaram à área encarnada podia ter redundado em golo(s). Cansaço? Saudades de Ramires? Ou tudo junto?

3 comentários:

Anónimo disse...

Como benfiquista falta algo ao Benfica na defesa. Concordo contigo especialmente no segundo paragrafo.

PS - eu não sei se todos andam a combinar ou não, mas pelos blogues que já passei todos escrevem "Ramirez" com "z" em vez de um "s". Eu que tenho tanta estima pelo jogador fico um pouco à toa de saber quem é o "Ramirez" :b

pascoal sousa disse...

Erro meu, já rectificado. É Ramires, como muito bem observou. ;P

Mário Cagica Oliveira disse...

De facto, cheira-me mais a saudades do Ramires, do que a cansaço da equipa. O Javi García ressentiu-se da sua ausência e sozinho não aguenta o meio-campo.
Para encontrar soluções para o problema dentro do plantel, só mesmo jogando com o Amorim no meio. Quando passou da defesa para o meio, o Benfica melhorou bastante. Mas, de qualquer forma, Ramires há só um. E o Benfica está a sentir muito a sua ausência. Mais a defender do que a atacar.
No entanto, a ausência dele não explica tudo. E o Benfica deste ano treme muito nas bolas paradas, que, no ano passado, eram precisamente um dos pontos fortes da equipa.

Cumprimentos