quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Não há Bolt a dar



Esta tarde, enquanto esperava pela abertura dos portões do estádio Axa para o segundo treino do dia do Sp. Braga, assisti à corrida dos 200 metros dos Mundiais de Atletismo de Berlim. Sem surpresa, Usain Bolt foi o primeiro a cortar a meta, a uma confortável distância do segundo classificado. Eis o que me impressionou: Bolt fez uma autêntica gestão do esforço enquanto os adversários (?) cuspiam os pulmões três metros atrás. Pareceu-me que aos 50 metros disse adeus à assistência, aos 100 pintou a unhas e já com a meta à vista levitou e deslizou suavemente pela pista, sem cansaço aparente. Nunca vi um atleta assim. Pelos vistos nem os especialistas na matéria conseguem explicar cabalmente este fenómeno. Este jamaicano veio de Marte...
Enviar um comentário