segunda-feira, 11 de maio de 2009

Lá foi Pacheco, claro



A copiosa derrota por 5-0 do Belenenses, em casa, frente ao Sp. Braga representou o fim da linha para Jaime Pacheco. Um dia depois de ser eleito para a presidência do clube de Belém, Viana de Carvalho tomou a decisão de rescindir com toda a equipa técnica e com João Freitas, director-desportivo, e entregar o comando do Belenenses a Rui Jorge, ex-jogador do FC Porto e Sporting, que orienta os juniores do clube. Para lá do enorme potencial futebolístico do Sp. Braga (magnífica exibição colectiva, magnífico o terceiro golo do jogo, apontado por Renteria), a verdade é que este Belenenses parece mesmo um condenado à espera da execução da pena. No caso, e salvo algum milagre, será a descida de divisão.

Pacheco falhou. Antes dele falhara - redondamente - toda uma estrutura que foi manifestamente incompetente no planeamento que fez da época em curso. O riquíssimo património histórico do Belenenses, tantas vezes invocado por quem vive de recordações do passado, esconde uma verdade perturbadora e cruel: esta equipa é tão fraca que nem na Liga de Honra teria desempenho meritório. Por vezes, um passo atrás nem sempre é má ideia.

Enviar um comentário