terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Um palmo acima, um palmo ao lado



Um treinador de guarda-redes (por sinal importante no crescimento de Quim) dizia-me há tempos, durante um estágio de pré-época, que os limites de uma baliza estão bem definidos: «Um palmo acima da barra, um palmo ao lado dos postes». Quim esqueceu-se - ou não se lembrou - desta regra sagrada na abordagem que fez ao remate de bicicleta de Anderson.

Há já quem diga que ser titular da Selecção Nacional dá nisto. Há também os que falam da maldição de Ricardo. Ridículo. A haver maldição, seria a de Baía por se ver atirado para canto por concorrência tão fraca, numa altura em que tinha ainda muito para dar a Portugal. Mas isso são crendices de quem se esquece que o futebol goza de alguma lógica e de muita metodologia.

Não se tem falado muito nisto, mas que segurança pode um guarda-redes sentir quando tem a protegê-lo uma defesa como a do Benfica? Fica a pergunta. A resposta será conhecida dentro de 20 jornadas, talvez menos.
Enviar um comentário